cabeça de fogo, canarinho, canário, canário da horta, canário da telha, canário da terra, canario da terra, canário da terra verdadeiro, canário do campo, canário do chão, chapinha, coroinha

Canário da Terra (Sicalis flaveola)

Nome Científico

Sicalis flaveola

Canario da Terra, de nome científico Sicalis flaveola, também é conhecido como canário-da-terra-verdadeirocanário-da-hortacanário-da-telha (Santa Catarina), canário-do-campochapinha (Minas Gerais), canário-do-chão (Bahia), coroinhacanário-da-terra e cabeça-de-fogo. É uma ave admirada pelo canto forte e estalado e por isso é frequentemente aprisionada como ave de cativeiro (está entre as 10 mais apreendidas, segundo o IBAMA), mesmo tal ato sendo considerado crime federal inafiançável pela Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605/98). Graças a ação das autoridades e da conscientização da população, registros do canário-da-terra-verdadeiro vêm se tornando mais freqüentes nos últimos anos.

Seu nome significa: do (grego) sikalis, sukallis or sukalis = pequeno; (Latim) flaveola, flaveolus diminutivo de flavus = amarelo; (amarelinho).

Características:
Tamanho aproximado: 13,5 centímetros.
Peso médio: 20 gramas.
Cor amarelo-olivácea com estrias enegrecidas nas costas e próximo das pernas. Asas e cauda cinza-oliva. A íris é negra e o bico tem a parte superior cor de chifre e a inferior é amarelada. As pernas são rosadas. A fêmea e o jovem tem a parte superior do corpo olivácea com densa estriação parda por baixo, com as penas e cauda e tarso quase enegrecidos. Com 4 a 6 meses de idade, os filhotes machos já estão cantando, e levam cerca de 18 meses para adquirir a plumagem de adulto.

São cinco subespécies reconhecidas, sendo duas brasileiras:

Sicalis flaveola
Distribuição: Maranhão, Piauí, Ceará, Pernambuco, Bahia, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, São Paulo. Machos com o alto da cabeça alaranjado brilhante, ultrapassando a região da órbita: Dorso oliva, com poucas estrias. Ventre amarelo brilhante. Asa marrom escura, com a borda externa das penas amarela. Cauda marrom escura, com as bordas das penas amarelas. Fêmeas e jovens com finas estrias na cabeça e no dorso, o crisso é amarelado. Um distinto colar amarelo estriado no peito, dividindo a garganta e o ventre, que são esbranquiçados. As fêmeas mais velhas tendem a ter o peito e o ventre mais amarelados, podendo lembrar a plumagem de machos. Os exemplares do Nordeste são de um amarelo mais vivo e as fêmeas, além de serem também amarelas, possuem igualmente a mancha vermelho-alaranjada no alto da cabeça, embora menor que nos machos.

Sicalis flaveola pelzelni
Canário-chapinha. Bolívia, ao leste dos Andes, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul. Os machos possuem a cabeça com estrias escuras, e a cor alaranjada não ultrapassa a região orbital. O dorso é mais densamente estriados que S. f. brasiliensis. Ventre com coloração amarela em geral mais apagada, principalmente no pescoço. Asas e cauda semelhantes à forma anterior, mas com muito menos amarelo nas coberteiras das asas. Fêmeas com as estrias da cabeça e do dorso mais largas que na forma anterior. Região peitoral densamente estriada, podendo formar um colar. Poucas estrias na região ventral, e o crisso segue a mesma cor do ventre (esbranquiçado).

Sicalis flaveola flaveola
Colômbia e Venezuela. Maior e mais amarelado que o S. f. brasiliensis, assemelhando-se a um canário do Nordeste maior.

Sicalis flaveola valida
Peru e Equador. Possui grande porte, sendo a maior subespécie. Bico e patas negras. Machos e fêmeas muito parecidos.

Sicalis flaveola koenigi Hoy, 1978
Noroeste da Argentina (Salta e Jujuy).

Alimentação

As rações de manutenção, Alcon Eco Club Canário e Alcon Club Canário, foram desenvolvidas para atender completamente as exigências nutricionais das espécies as quais se propõem, devendo ser oferecida como base da dieta. Outros alimentos devem ser utilizados exclusivamente com caráter de enriquecimento ambiental (distração), 2 vezes por semana em pequenas porções, ou seja, perfazendo no máximo ¼ da alimentação diária.

O requerimento nutricional das aves se modifica durante o ano. Em períodos como: muda de penas, estresse, convalescença e reprodução, as exigências proteicas e lipídicas tendem a aumentar, desta forma, torna-se essencial à complementação da dieta de manutenção, linha Alcon ECO Club e Alcon Club. Nestes períodos sugerimos o uso diário das FarinhadasAlcon Club Top Life, associado à dieta de manutenção, perfazendo ¼ da alimentação. Estas mesmas associações podem ainda, ser usadas no período de manutenção de 2 vezes por semana.

Reprodução

Período Reprodutivo: novembro a maio.
Postura: 4 ovos
Encubação: 13 dias
Adultos estão aptos a reproduzir com: 1 ano
Chocos por temporada: no máximo 3
Filhotes saem do ninho: 13 dias
Desmame: aproximadamente 35 dias
Anilhar os filhotes com: 7 dias de vidas

Gaiola:
– As medidas das gaiolas criadeiras devem ser de 60 comprimento x 30 altura x 35 largura.
– Devem ser de arame, por serem mais fáceis de limpar e higienizar quando necessário. Para facilitar a limpeza, deve-se colocar papel absorvente ou mesmo jornal no fundo das gaiolas.
– Os comedouros e bebedouro devem ficar do lado de fora da gaiola para facilitar o manuseio e evitar que as aves defequem nos mesmos.
– Entre as gaiolas deve ser colocado um pedaço de madeira para que uma fêmea não veja a outra, caso isso aconteça elas podem abandonar os ovos ou mesmo matar os filhotes.

Ninho:
– Tipo caixa
– Medida 25 x 14 x 12, a exemplo dos comedouros e bebedouros, deve ser colocado do lado de fora da gaiola, desta forma, pode-se observar ovos e filhotes sem estressar a fêmea.
– O material para a confecção do ninho deve estar disponível até que ela termine esse trabalho. Deixe disponível pedaços de barbante de algodão e sisal, crina de cavalo, fibras de coco, todos em pedaços de 10 a 15 cm.

Canário da Terra é um pássaro de fácil manejo e sua reprodução em cativeiro é bastante simples. O sucesso na criação depende de alguns fatores:
– Local arejado, sem correntes de vento.
– A Temperatura tem uma ampla faixa considerada ideal, que vai de 20 à 30º.
– Umidade ideal entre 45 e 70%.
– O banho sol é muito importante para a saúde das aves, de preferencia pela manhã.
– O banho durante o período de reprodução deve ser diário, para que a fêmea mantenha a umidade dos ovos. Após o banho, retirar a banheira e descartar a água.
– Após o desmame, os filhotes devem ser colocados em gaiolões para que possam voar e desenvolver a musculatura peitoral.

Manutenção

Existem vários tipos de gaiolas para Canários: gaiolas para Canários cantores, gaiolas para criação e voadeiras.

Para a manutenção de Canários:  uma gaiola com no mínimo 60 cm de comprimento x 30 cm de largura x 40 cm de altura, com comedouro, bebedouro, uma banheira rasa (2,5 a 3 cm em média) e alguns poleiros.

A limpeza é fundamental para a prevenção de doenças. Por isso, é interessante que a gaiola tenha uma bandeja removível que facilite o processo. Você pode optar por forrá-la com algum papel absorvente (tipo jornal) que deve ser trocado diariamente. Troque também a água diariamente e limpe os demais recipientes. Faça a desinfecção do bebedouro, comedouro, banheira e fundo da gaiola no mínimo duas vezes por semana. É interessante a retirada da banheira para evitar banhos à tarde.

Evitar correntes de vento e locais úmidos e muito movimentados são cuidados que também auxiliam no bem estar destes canoros pássaros.

Fonte: alconpet.com.br

Deixe seu comentário...

%d blogueiros gostam disto: